Como participar?

As urnas eletrônicas possuem fragilidades já apontadas por especialistas. Infelizmente, a maior parte delas não é acessível ou passível de auditoria pela sociedade, mas existe uma forma de colaborarmos para diminuir a possibilidade de fraude nas eleições.

Você pode ajudar de duas formas:
1) Sendo um fiscal credenciado. Faça seu cadastro no site e procure o diretório de seu estado. Ver diretórios
2) Sendo um voluntário. Faça seu cadastro no site e assuma o compromisso de capturar o QR Code do Boletim de Urna de sua seção ou zona eleitoral!

Os voluntários

No dia da votação, todo cidadão pode colaborar voluntariamente com a fiscalização das urnas, ainda que não seja fiscal oficial do partido. Para participar, basta baixar o aplicativo Totalização Paralela (Google Play) e capturar os códigos (QR Codes) dos Boletins de Urna (BUs) de sua seção ou zona eleitoral ao final da votação.

Os BUs são liberados após o encerramento da votação, às 17h, então, é importante chegar à zona eleitoral até as 16h30, para não perder o prazo.

Sua participação é o que nos ajuda a obter informações para uma totalização paralela dos votos. Saiba mais sobre a missão do Fiscal Voluntário no vídeo!

Quer saber mais sobre o aplicativo? Acesse totalizacaoparalela2018.com.br

Os fiscais

O Fiscal Oficial do partido pode acompanhar toda a votação, de dentro da seção eleitoral, desde o início até seu encerramento. Ele é responsável por apurar e documentar as eventuais irregularidades ocorridas durante o dia e reportar aos responsáveis. Para colaborar como Fiscal Oficial, você precisará obter a sua credencial. Conheça melhor a missão do Fiscal Oficial em nossa cartilha!

faça o download da cartilha abaixo e se informe

Quer ser um fiscal? CADASTRE-SE E ENTRE EM CONTATO COM SEU DIRETÓRIO

Acre: (68) 99234-5368
Alagoas: (82) 99649-0034 / (82) 99953-5044
Amapá: (96) 98408-1455
Amazonas: (92) 98192-4378 / (92) 98110-7778
Bahia: (75) 3011 7717
Ceará: (85) 99921-7283 / (85) 98654-9151
Distrito Federal: (61) 99975-1009
Espírito Santo: (27) 3024-1717
Goiás: (62) 98157-9795

Maranhão: (98) 99609-6525
Mato Grosso: (65) 99815-9596
Mato Grosso do Sul: (67) 99901-2220
Minas Gerais: (31) 98233-1411
Pará: (91) 99108-6796
Paraíba: (83) 99978-1464
Paraná: (41) 99231-1717
Pernambuco: (87) 99638-6012
Piauí: (86) 99937-7951

Rio de Janeiro: (21) 3556-7428
Rio Grande do Norte: (84) 99606-2155
Rio Grande do Sul: (51) 99755-9523
Rondônia: (69) 2141-4642
Roraima: (95) 98100-2129 / (95) 99122-0192
Santa Catarina: (48) 99866-7161
São Paulo: (11) 99905-8153
Sergipe: (79) 98104-0593
Tocantins: (63) 3215-1713

Para credenciamento de fiscal no exterior, ligue para o Diretório Nacional até o dia 24/10/18: (061) 3322-1721, 3526-0614/0615

Perguntas e respostas

O PSL-17 criou um guia, para orientar nossos eleitores sobre as possíveis condutas no dia da votação e, ainda, alertar sobre os atos que não podem ser praticados, sob pena de prejudicar nossa campanha. Confira abaixo perguntas e respostas e esclareça suas dúvidas sobre a atuação de nossos fiscais, delegados e voluntários.

Quem poderá fiscalizar?

O fiscal credenciado precisa estar cadastrado no comitê. Poderá ser um fiscal credenciado qualquer pessoa maior de 18 anos, desde que não seja candidata. Cada partido poderá indicar até dois fiscais por seção eleitoral, podendo ficar apenas um por vez na sala. Cada partido poderá indicar até dois delegados por zona eleitoral, aos quais caberá a supervisão dos fiscais.

O fiscal voluntário é você, eleitor, que poderá auxiliar no processo, escaneando o QR Code do Boletim de Urna (BU) no final da votação.

O que eleitores, fiscais e delegados podem fazer no interior das seções eleitorais?

1- Se o fiscal tiver o conhecimento de que o nome do candidato não aparece na urna, deve registrar o fato na ata da eleição. Mas vale lembrar que a urna leva alguns segundos para processar a informação, então, é normal que demore um pouco para aparecer a fotografia do candidato.

2- Se o eleitor for votar e não for identificado pela biometria, e também não tiver documento que o identifique, o fiscal deve chamar a atenção do presidente da mesa para que não permita o voto, fazendo constar o fato na ata.

3- Se algum membro da mesa receptora de votos estiver usando vestuário ou peça de propaganda em favor ou contra um candidato, deve o fiscal fazer constar o fato na ata e pedir a sua substituição.

4- Se o fiscal verificar que a urna foi vandalizada, deve comunicar o fato ao presidente da mesa, além de pedir que o equipamento seja substituído, registrando o fato na ata.

5- Se o recinto da seção contiver propaganda eleitoral de qualquer espécie, o fato deve ser comunicado ao presidente da mesa, para que a retire imediatamente. O fiscal deve fazer o fato constar na ata.

6- Se o eleitor for portador de necessidades especiais e precisar de acompanhamento na urna, o fiscal deve verificar se o acompanhante é alguém da confiança do próprio eleitor e não permitir que esse acompanhamento seja feito por membro da mesa ou por pessoa estranha ao eleitor. Se isso não for respeitado, o fiscal deve exigir o registro do fato na ata.

7- Na hipótese de algum eleitor reclamar que a urna completa automaticamente o voto (ou seja, contra a sua própria vontade), o fiscal deve pedir a sua substituição e, em caso de recusa, documentar o evento e pedir que seja incluído na ata.

8- Se o fiscal verificar que alguém votou indevidamente em nome de outro eleitor, deve fazer constar o fato na ata.

9- Caso o próprio eleitor constate que alguém votou em seu nome, o fato deve também ser registrado na ata.

10- Se o fiscal tiver conhecimento de qualquer outro fato que considere irregular, deve fazer constar a informação na ata.

Atenção: O fiscal deve exigir que qualquer reclamação seja registrada na ata de eleição, pedindo ao secretário que leia o conteúdo do que foi escrito. Caso discorde do texto, deve exigir que nova anotação seja realizada, dessa vez conforme a realidade dos fatos ocorridos.

Em caso de recusa, pelo presidente da mesa, de fazer constar qualquer reclamação em ata, o fiscal deve documentar o fato (em vídeo, por exemplo) e acionar a autoridade policial.


1- Sempre que houver dúvida sobre como proceder, o fiscal deve entrar em contato com o Delegado do partido ou coligação, que o orientará.

2- É permitido ao fiscal filmar o ambiente da seção eleitoral, mas, em nenhuma hipótese, é permitido filmar a urna enquanto o eleitor estiver votando.

3- Após a votação, os fiscais devem exigir dos presidentes das mesas uma via do boletim de urna, que deve ser fornecida até uma hora após o encerramento da votação. Essa via deverá ser entregue ao representante do partido no diretório de seu estado.

O que eleitores,fiscais e delegados podem fazer fora do ambiente da seção eleitoral?

1- a manifestação silenciosa é permitida, portanto, o eleitor pode ter peça de vestuário ou acessório com propaganda contra ou a favor de candidato.

2- Se existir aglomeração de três ou mais eleitores, vestidos com peças de propaganda, deve o fiscal documentar e acionar a autoridade policial.

3- Se o fiscal verificar alguém abordando eleitores, pedindo votos ou distribuindo material de campanha, deverá documentar o fato em vídeo e acionar a autoridade policial. Isso é crime de “Boca de Urna”.

4- Caso o fiscal verifique que há distribuição de bens ou de dinheiro em espécie a eleitores, deverá documentar o fato em vídeo e acionar a autoridade policial. Isso é crime de Compra de Voto.

5- Caso o fiscal verifique o transporte de eleitores em veículos coletivos, deverá documentar o fato em vídeo e comunicar à autoridade policial.

6- Todos os vídeos de irregularidades devem ser encaminhados ao Ministério Público Eleitoral do seu estado, aos delegados do partido, via whatsapp, e encaminhados pelo site fiscaisdojair.com.br.

A que horas o fiscal deve chegar e deixar a seção eleitoral?

No dia da votação, o fiscal credenciado deverá chegar às 7 horas, para verificar se o Caderno de Votação contém todas as páginas e canhotos dos eleitores, e não há assinaturas ou anotações.

Além do Caderno de Votação, também deverá acompanhar a impressão da “Zerésima” e pedir uma cópia ao Presidente de Mesa.

Às 17 horas, quando se encerra a votação, deverá acompanhar a impressão do Boletim de Urna (BU) e pedir uma cópia ao Presidente de Mesa. O QR Code do Boletim de Urna (BU) deverá ser escaneado pelo aplicativo “Totalização Paralela 2018”, disponível na Google Store.

A cópia do Boletim de Urna (BU) deverá ser entregue ao Delegado ou Representante do partido, para que seja encaminhada ao Diretório Regional do seu município ou estado.

O fiscal voluntário deve chegar às 16h30 e aguardar o encerramento das eleições dentro do local de votação. Às 17h, os Presidentes de Mesa vão imprimir os Boletins de Urna (BU) de cada máquina, que serão afixados em cada seção.

Em muitos locais de votação, há diferentes seções eleitorais. Utilize o aplicativo TOTALIZAÇÃO PARALELA e escaneie os QR Code de todos os BUs disponíveis no seu local de votação (um BU por cada seção).

O que é a Zerézima?

A urna será ligada pelo Presidente de Mesa, entre 7h e 7h30, na presença dos mesários e fiscais dos partidos políticos, quando será emitido o relatório chamado “zerésima”, que mostra a identificação da máquina, comprova que nela estão registrados todos os candidatos e que não há nenhum voto computado, ou seja, que a urna tem “zero voto”.

A zerésima deverá ser assinada pelo Presidente da seção, mesários e fiscais dos partidos ou coligações que estiverem presentes.

O que é o Boletim de Urna (BU)?

Boletim de Urna é um documento impresso, às 17 horas, pelo Presidente de Mesa, que mostra a identificação da urna e da seção eleitoral, além do número de eleitores que ali votaram, a quantidade de votos registrados para cada candidato ou partido, brancos e nulos.

O Boletim de Urna é afixado na porta de cada seção eleitoral, tornando público o resultado daquela urna.

O eleitor/fiscal voluntário pode verificar o resultado de uma ou mais seções por meio do “QR Code” do Boletim de Urna (BU). Esse código (QR Code) deverá ser escaneado por celular com câmera fotográfica, com o aplicativo “Totalização Paralela 2018”, disponível na Google Store, que deverá ser baixado na véspera.

A quem devem ser dirigidas eventuais reclamações?

Cabe ao Presidente da Mesa a decisão sobre abusos que possam ocorrer na seção de votação, devendo todas as reclamações serem a ele dirigidas, IMEDIATAMENTE, ou, ainda, ao Promotor e/ou ao Juiz Eleitoral. Cabe ao fiscal estar munido com o telefone celular e nome dessas autoridades.

O que o fiscal deve fazer ao testemunhar irregularidades?

Todas as irregularidades que sejam presenciadas ou de que se tenha notícia, fora da seção de votação, devem ser comunicadas, IMEDIATAMENTE, ao Promotor e/ou ao Juiz Eleitoral, ou, ainda, à autoridade policial mais próxima.

O que representa irregularidade e o que deve ser denunciado pelo fiscal?

Qualquer movimentação ocorrida dentro dos colégios eleitorais, que possa comprometer a regularidade dos trabalhos ou o sigilo do voto, deve ser comunicada ao Presidente da Seção, Promotor e/ou Juiz Eleitoral, para que faça constar em ata e sejam tomadas as devidas providências.

Qualquer problema que seja verificado na seção de votação, seja eventual tumulto na fila de votação, suspeita de boca de urna (na fila ou na seção), bem como funcionamento defeituoso ou suspeito das urnas eletrônicas, noticiado por eleitor, deve ser informado ao Presidente da Mesa, IMEDIATAMENTE, para que este o faça constar em ata.

Qualquer problema técnico que prejudique o funcionamento da urna deverá ser informado ao Presidente da Mesa, que deverá a substituir, caso seja necessário. O fiscal deverá fazer constar em ata todo e qualquer problema verificado na urna, por menor que seja.

O que deve ter em todas as seções eleitorais?

Em todas as seções, é obrigatório ter a lista com os candidatos e respectivos números.

É proibido ter qualquer destaque ou anotação no nome ou número dos candidatos. Se isso ocorrer, o fiscal deverá comunicar ao Presidente da Mesa, que deverá substituir a lista e fazer o fato constar em ata.

O que não pode ter nas seções eleitorais?

Não pode haver material de propaganda eleitoral dentro da seção eleitoral ou próximo à urna, principalmente santinho. Se isso ocorrer, o fiscal deverá informar ao Presidente da Mesa, que deverá retirá-lo, imediatamente, e fazer o fato constar em ata.

O que o fiscal deve fazer se verificar compra de voto?

Filmar, fotografar e informar a uma autoridade policial, IMEDIATAMENTE, bem como ao Promotor e/ou Juiz Eleitoral. O TSE disponibiliza o App pardal para denunciar ilegalidades. Saiba mais aqui.

Como o eleitor pode se manifestar no dia da eleição?

É permitida a manifestação individual e silenciosa do eleitor, EXCLUSIVAMENTE, pelo uso de bandeiras, broches, dísticos e adesivo. É permitida a utilização de carros adesivados.

O que o eleitor não pode fazer no dia da eleição?

Nas proximidades das zonas eleitorais, não é permitida ação orquestrada, ou seja, pessoas com vestimentas padronizadas e portando bandeiras.

Em qualquer local, não é permitida aglomeração ou reunião de pessoas portando bandeiras, broches, dísticos, adesivos ou vestimenta padronizada.

É proibido levar, à cabine de votação, celular, máquina fotográfica, filmadora, caneta, relógio espião, ou qualquer outro aparelho que possa quebrar o sigilo do voto. Se isso ocorrer, deve ser comunicado ao Presidente da Mesa, IMEDIATAMENTE, o qual deverá proibir a conduta e fazer o fato constar em ata.

O que o fiscal deve fazer se houver dúvidas sobre a identidade do eleitor

Se o fiscal tiver dúvida sobre a identidade do eleitor que irá votar, deverá impugná-lo, IMEDIATAMENTE, perante a Mesa, a qual decidirá a questão e fará constar em ata.

É permitida a ajuda a pessoas com deficiência?

Depende. Pessoas portadoras de necessidades especiais poderão ser ajudadas no momento da votação apenas por pessoa de sua confiança, sendo vedado o auxílio por fiscal ou candidato.

Como proceder ao testemunhar o mal funcionamento da urna eletrônica?

Qualquer questionamento sobre o funcionamento da urna eletrônica deve ser feito pelo fiscal ao Presidente de Mesa, imediatamente, sendo solicitado que este faça o fato constar em ata.

Como proceder ao testemunhar fraudes eleitorais?

Qualquer questionamento sobre eventual fraude eleitoral deve ser feito pelo fiscal ao Presidente de Mesa, IMEDIATAMENTE, sendo solicitado que este faça o fato constar em ata.

Seja Voluntário

Você pode ajudar, nesse processo de fiscalização, capturando o QR Code do Boletim de Urna (BU) de sua seção ou de todas as seções que estejam situadas no mesmo local de votação.

Queremos ter voluntários em todas as seções eleitorais do Brasil, por isso, seu cadastro é importante.

Caso tenha interesse em se tornar um Fiscal Credenciado do PSL, após o cadastro no site, entre em contato com o diretório do seu estado, nos telefones acima indicados. Cada partido só pode credenciar dois fiscais por seção eleitoral.
Importante: O voluntário não terá credencial de acesso à seção. Precisamos de sua ajuda para escanear o QR Code dos Boletins de Urna no seu local de votação. Baixe a cartilha do eleitor/voluntário e saiba como nos ajudar!

Ao enviar meus dados, estou ciente de que serei um voluntário e que minha ajuda, no processo de fiscalização, será capturar o QR Code do Boletim de Urna da seção eleitoral indicada (e/ou de todas as seções eleitorais situadas no mesmo local de votação)

Cadastrado com sucesso!

Denuncie

Cada seção eleitoral, que corresponde a uma mesa receptora de votos, é composta por um presidente, dois mesários, dois secretários e um suplente.
Os secretários das mesas lavram a ata das eleições, que é um documento que relata os acontecimentos ocorridos na seção eleitoral.
Em geral, o presidente da mesa e os mesários são obrigados a registrar, na ata, qualquer irregularidade verificada, a pedido de fiscal ou de qualquer eleitor.Veja o que pode constituir uma irregularidade aqui
Qualquer recusa de registro, pelos membros das mesas, deve ser documentada em vídeo e acionada a autoridade policial, para que adote as providências cabíveis.

Identificou alguma irregularidade? Veja o que deve fazer:

  • Se for dentro da seção, imediatamente, comunique o fato ao Presidente da Mesa e faça constar na ata.
  • Envie a denúncia para o Ministério Público ou TRE de sua região, via whatsapp (Clique aqui para ver a lista de telefones)
    - A denúncia também poderá ser enviada pelo aplicativo Pardal do TSE.
  • Registre o ocorrido aqui preenchendo o formulário abaixo (denúncias relacionadas a problemas nas urnas)

Formulário para denúncias relacionadas a problemas nas urnas

Local da Denuncia

Escolher arquivo

Cadastrado com sucesso!

Ops. Ocorreu algum erro, tente novamente mais tarde.